Perséfone Entre os Espaços

Persefone Entre os EspacosImagem: “Maria Madalena” por Georges de La Tour (1593-1652)

*Noeliza Lima

Este artigo fala da mulher atual, suas buscas e caminhos. Pretende-se apresentar o mito de Perséfone como a deusa criativa, sensível, intuitiva, cuidadora , características associadas a busca da mulher pós feminista, em seus espaços. Na introdução conta-se o mito de Perséfone, para logo mais revê-la na leitura de psicologia do gênero.

Ligada diretamente à fertilidade da terra cultivada, Deméter é uma antiquíssima deusa-mãe cuja origem deve remontar, no mínimo, ao Neolítico. […]. Em Homero, ela já aparece diretamente associada ao trigo (Il. 13.322).Para os gregos, ela era filha dos titãs Crono e Réia, nascida logo depois de Héstia, e portanto irmã de Zeus, Hera, Posídon e Hades. Deméter está associada principalmente à história do rapto de Perséfone. Certo dia, Hades se apaixonou pela jovem Perséfone e, com a conivência de Zeus raptou-a enquanto brincava com as ninfas e levou-a para seu reino subterrâneo. Alertada por um grito da filha, Deméter começou a procurá-la por todo o mundo, com um archote aceso em cada mão. Após vários dias de busca encontrou Hécate, que ouvira Perséfone gritar mas não vira quem a levara; Hélio, porém, que tudo vê, revelou a identidade do raptor… Enfurecida Deméter recusou-se a voltar ao Olimpo sem a filha querida e a exercer suas funções divinas. Assumiu o aspecto de uma velha e pôs-se a serviço de Céleo, rei de Elêusis, que encarregou-a de cuidar do jovem Triptólemo, seu filho. Deméter afeiçoou-se ao menino e tentou torná-lo imortal, colocando-o periodicamente no fogo. Surpreendida porém numa das “sessões de imortalização” pela assustada Metanira, mãe do menino, não pôde completar o processo. Revelou-se então aos assustados reis e confiou a Triptólemo a tarefa de espalhar pelo mundo a cultura do trigo.

Enquanto isso a terra permanecia estéril, pois sem Deméter nada do que era plantado crescia. Perturbada a ordem natural, Zeus teve de intervir junto a Hades para libertar Perséfone e aplacar a mãe enfurecida. Perséfone, entretanto, já desfrutara da hospitalidade de Hades e comera uma romã — o que a associava permanentemente ao reino subterrâneo — e os deuses envolvidos tiveram de negociar. Perséfone tornou-se esposa de Hades, e rainha dos mortos; Deméter reassumiu suas tarefas divinas; e, a cada primavera, Perséfone deixava Hades e se reunia com a mãe, no Olimpo, para que nessa época a terra cultivada desse seus frutos. Desde a Antigüidade esse mito era visto como uma alegoria: Perséfone era o grão semeado, colocado embaixo da terra para se desenvolver e despontar durante a primavera sob a forma de novos frutos…

Perséfone, em seu reino, exerce o papel de Senhora dos Mistérios da Vida e da Morte. É ela quem recebe os mortos no mundo espiritual, formando com Hades uma união de trabalho, além de afetiva. É uma ligação que alimenta a ambos. Perséfone foi uma boa filha. Talvez este relacionamento com a mãe Deméter a tenha preparado para respeitar outras mulheres. Filha da natureza, caminha tranqüilamente no privado e público. Faz alianças com outras mulheres. Como exemplo cita-se sua disposição amigável em ajudar Psyché dando-lhe a caixa da Beleza Eterna conforme Afrodite havia pedido. Também com os homens se comporta assertivamente. Hércules em uma de suas tarefas lhe pede ajuda e ela presta seu concurso cedendo-lhe Cérbero, o cão de guarda dos Infernos.

Traçando um paralelo com as mulheres de hoje, qual seria o segredo da majestade de Perséfone? Como consegue ela se impor e exercer seus direitos de rainha perante Hades? A impressão que o mito traz é que seu companheiro não sente receio de ceder seu espaço de trabalho. Pode-se aventar a possibilidade de que Hades, conhecedor da necessidade que tem da contribuição de Perséfone e de seu valor enquanto pessoa, a deixa em liberdade para exercer sua identidade. Outro fato é que Perséfone não conheceu homens. Chegou virgem ao casamento, no sentido de experiências psíquicas anteriores com o sexo masculino. Sendo filha da natureza, tendo o sentido de semente, ao lhe for dado o cuidado necessário, floresce. Sobressai nesta reflexão o fato de que se a mulher recebe o cuidado e o trato necessário, pode reconhecer-se como ser inteiro, e produzir. Assim, torna-se importante a figura do companheiro como: ou propiciador da regressão, ou como propiciador da maturidade (Diel,1999) Perséfone e Deméter são uma representação só. São a imersão no psíquico e no real. Representam a vida criativa, a expressão do ser perante si mesmo e o mundo, a abertura e o fechamento, a permissão e a interdição. No momento em que Perséfone está com a mãe, a natureza se renova. Quando ela está com Hades, a natureza adormece.

Estes movimentos tais como ir e vir, afastar-se e aproximar-se, entre outras aparentes oposições, representam aqui a caminhada humana: o retirar-se para planejar e se refazer, e o ato de se atirar no mundo, realizando os projetos elaborados no adormecer das estações. Levando-se esta análise para o mundo, percebem-se os grupos de trabalho de mulheres, como espaços de Deméter, de reflexão e elaboração de estratégias. Ao mesmo tempo de intensa participação no público, que constituem os encontros e reuniões extras, onde semeiam a idéia da livre expressão feminina, trabalham em suas especialidades, auxiliam outros grupos de cidadania. Estas mulheres simbolizam Perséfone, e se exteriorizam tanto no espaço privado como no espaço público.

Entretanto a coisa não é tão bonita quanto parece. A mulher ao sair do privado para o público contesta toda uma cultura preconceituosa. Segundo Skinner (1970) qualquer comportamento para se manter necessita ser reforçado. Uma vez que a mulher é punida ao se expor, em violência aberta ou sutil, poderá aumentar seus danos psicológicos e/ou físicos. Toda mulher sente isto, e pode se recusar a ir em frente. Ela estagna. Deméter também parou em um primeiro momento, ao verificar que não achava a filha. Deprimiu-se, ficou velha e feia. A mulher quando desiste, mesmo por pouco tempo, sente esta morte de alma. A depressão na meia idade assemelha-se bastante a este estado de inanição afetiva. Um paralelo pode ser traçado em relação a mulheres em casamentos infelizes, que não satisfazem a sua fome de espírito. Também se sentem feias, sem saída. A mulher em sendo programada para o casamento de fantasia, romântico, muitas vezes prende-se nesta armadilha. Casos clínicos também fornecem tais dados, independente de gênero e sexualidade.

Há que se considerar estes fatos quando se organizam grupos de mulheres, seja de instituições ou privados, hetero ou homoafetivos. A autonomia pode não ser o melhor. Leva-se em consideração o desejo da mulher, que parece atávico, ao querer desprender-se – e o fato de que a estagnação da mulher parece levar a somatizações e doenças.

Tais grupos são necessários e propiciadores de reflexão, autoconhecimento e suporte, tal como Deméter que dá o dom de gestar e florescer, como Hades, que, pelas sementes de romã, propicia a Perséfone a volta ao lar, tal como Perséfone em ir e vir se renovando e transformando a trajetória dos que a cercam, impulsionando-se, e aos outros, em direção a verdade e ao amadurecimento. Figuras míticas que, juntas, retratam o processo de crescimento humano, tanto individual como coletivo. E sugerem a possibilidade da ligação do homem e da mulher em sua diversidade.

*Noeliza Lima é psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica (PUC-Campinas, 1977), Mestre em Psicologia Clínica (PUC-Campinas, 2000), Didata em Análise Transacional da ITAA-USA e professora universitária.

Anúncios

2 Respostas to “Perséfone Entre os Espaços”

  1. Noeliza Says:

    Olá. Vi que gostou do meu artigo! Obrigada.

  2. Grupo Papeando Says:

    Olá Noeliza,
    sim, seu artigo oferece uma reflexão muito interessante sobre o mito de Perséfone. E, por essa razão, o consideramos uma ilustração preciosa para o tema de discussão do mês de Maio, A Psicologia e a Mulher. Como parte essencial da nossa proposta, consideramos importante divulgar as idéias e os trabalhos que ajudam a ampliar o campo de reflexão e ação da Psicologia no Brasil e no mundo. Poder contar com colaborações como a sua é, sempre, uma honra.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: