O que são terapias alternativas?

magiccircle2O Círculo Mágico” por John William Waterhouse(1849-1917)

São práticas terapêuticas não utilizadas na medicina tradicional ou na psicologia científica. Apesar de haver algumas execeções, a grande maioria das terapias alternativas seria melhor definida como segue: práticas terapêuticas não comprovadas cientificamente.

Neste link, uma lista com algumas das terapias alternativas disponíveis no mercado. Mas não é uma lista abrangente, já que não comenta sobre as terapia de regressão, as cirurgias espirituais, as sessões de descarrego, etc.

Terapias alternativas funcionam?

A resposta a essa pergunta não é simples. As terapias alternativas não funcionam, mas fazer uso delas promove, sim, mudanças positivas. Essa resposta não é paradoxal; precisa ser analisada em duas etapas. Primeiro, a parte em que diz que elas não funcionam e, em seguida, a parte em que diz que elas produzem mudanças positivas.

  1. Testes científicos rigorosos mostram que a imensa maioria das práticas alternativas não exerce efeito. Ou seja, nada do que o suposto terapeuta faz promove saúde. As terapias que mostram efeito positivo de fato, comumente deixam de ser “alternativas”. Um exemplo é a acupuntura, que está ganhando espaço junto às terapias tradicionais.
  2. Apesar da não funcionalidade por meio dos seus métodos, as terapias alternativas exercem efeito placebo. A idéia pode ser resmida assim: as ações terapêuticas nada fazem, mas a atenção recebida pelo cliente e a crença de que a terapia vai ajudar, promovem mudanças positivas, sim, ainda que limitadas. Prova disso é que tais terapias continuam existindo.

O que os terapeutas alternativos alegam ser causa de suas ações, é na verdade um efeito psicológico advindo da crença dos clientes. O problema é que esse efeito psicológico, por limitado que seja, é utilizado como argumento de sucesso, tornando as terapias alternativas práticas perigosas.

Por que as terapias alternativas são perigosas?

Porque os indivíduos que confiam nelas não se curam de fato, e podem não procurar um profissional especializado que ajudaria em seus problemas. Apesar de haver o efeito placebo, ele se limita a produzir uma redução da ansiedade e da dor; pode melhorar o funcionamento do sistema imunológico, no entanto, não cura doenças físicas ou psicológicas, como depressão ou síndrome do pânico.

O que a Psicologia tem a ver com isso?

As psicoterapias, por muitos motivos, parecem menos interessantes do que as terapias alternativas para lidar com problemas psicológicos. (1) São mais caras. (2) São mais longas. (3) Exigem trabalho do cliente. (4) São menos atrativas (dizer que um floral vai curar pode parecer, para algumas pessoas, mais interessante do que conversar com um terapeuta). Resta então, às psicoterapias, a eficiência superior. Mas elas são eficientes?

Eu tenho uma opinião radical: a de que a maioria das psicoterapias não é mais funcional do que as terapias alternativas e que as melhoras produzidas por elas podem ser atribuídas ao efeito placebo. Claro que os psicólogos não concordarão. Mas a verdade é que ainda não existem pesquisas que comprovem, de fato, que algumas formas de psicoterapia são eficientes.

Falando dos dados de pesquisa, eles podem ser resumidos assim: a Terapia Cognitivo-Comportamental e a Terapia Comportamental mostraram bons resultados para uma grande variedade de problemas. A Terapia de Orientação Analítica (derivada da Psicanálise) mostra resultados para alguns problemas.

Ora, se ainda são poucas as psicoterapias com validade comprovada, como afirmar que a psicoterapia é melhor do que as terapias alternativas? Somando esse problema ao fato de elas serem mais longas e mais caras, fica claro que as Psicoterapias precisam de reformulação e de pesquisas.

O Conselho Federal de Psicologia, com ajuda dos Conselhos Regionais de Psicologia, estão fazendo de 2009 o ano da Psicoterapia. É uma excelente oportunidade de fomentar pesquisas e passar um pente fino nas práticas dos psicólogos clínicos. A Psicologia é uma ciência e, portanto, os profissionais da área devem fornecer um trabalho de qualidade.

Deveriam ser permitidas apenas psicoterapias comprovadas cientificamente. Caso contrário, a Psicologia não pode ser considerada diferente das terapias alternativas.

FONTE: Psicologia e Ciência

Anúncios

3 Respostas to “O que são terapias alternativas?”

  1. Fatima Vidal Says:

    Concordo que as psicoterapias precisam de mais pesquisam mas discordo que a psicologia seja igualada à terapia alternativa, até porque as psicoterapias são praticadas por profissionais que estudaram e se trabalharam não somente o corpo como também a mente humana, durante anos e anos, numa preocupação com a totalidade do ser humano, seus sentimentos e ressentimentos e com a segurança deste ser. Sem falar estes profissionais são regidos por um código de ética sério e responsável e foirmados por Academias de Renomes.

  2. Dr.Meelo Says:

    Bom no meu parecer é modo de emchergar as duas são boas porém a alternativa vai mais adiante pois sai das burocracias e éticas médica que protegem o sistema em torno de si preocupação com pasciente 10 porcento os outros 90 porcento se perde nos detalhes que pouco interessa ao pasciente

  3. Lia Paiva Says:

    Perfeita sua análise! !!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: