A Internet Mudou a Paquera

“A Paquera” por Edmund Blair Leighton (1853-1922)

*Por Nádia Schiavinatto

O mundo deu voltas e voltas. A comunicação humana já passou pelos sinais de fumaça, ruídos de tambores, mensageiros que viajavam longas distâncias para a entrega de uma carta, correio aéreo, telégrafo, telefone….e hoje podemos nos comunicar em tempo real através da internet. Com a nova tecnologia, a maneira dos encontros amorosos também mudou.

Segundo a professora na Universidade Federal do Paraná (UFPR) da disciplina “Relacionamento Amoroso: Teoria e Pesquisa” e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP), Lídia Weber, a atração física parece não ter mais tanta importância para um contato inicial.

“É possível sim se apaixonar por idéias inventadas, sem dono, ou cujo dono não é o mesmo corpo que as tecla no microcomputador. Podemos inventar uma outra identidade ou utilizar frases de outras pessoas. Vivemos numa nova era, onde encontrar-se no cyberespaço, trocar idéias com pessoas do outro lado do mundo sem nunca tê-las encontrado fisicamente, fazer sexo e apaixonar-se através de um chat não é mais ficção-científica. É realidade”, diz ela.

Mas afinal, será que as pessoas fazem isso porque estão sozinhas, para facilitar o primeiro encontro ou por que é um novo método de comunicação? Para a psicóloga, as relações “virtuais” não substituem os encontros físicos nem as viagens. Podem sim auxiliá-las na preparação. “Não temos a resposta certa (e estamos numa era em que não existe somente uma resposta correta…), mas nos casos de encontros amorosos, eles podem dar certo ou não, podem ser muito bons ou dramáticos. E podem ser também muito lúdicos e cheios de sonhos. Ou pesadelos”, observa ela. “Encontros virtuais servem para conversar, trocar experiências, passar o tempo, atenuar a solidão, namorar e até fazer sexo (virtual), num encontro de sociabilidades”.

Apesar das pessoas estarem ligadas a um aparelho, elas passam a ser espectadores, atores e diretores de sua própria história. “Talvez na base deste fenômeno haja o desejo do homem de compensar o desaparecimento progressivo dos lugares públicos para encontros em nossa vida de todos os dias ou talvez seja somente uma nova forma de comunicação”, afirma ela.

Descartável

Para a professora em Psicologia da Faculdade Don Domenico Guarujá, no litoral de São Paulo, Eliza Helena Ercolin, o namoro via internet nada mais é que um reflexo de nosso tempo, tão individualista e ligado ao consumo rápido e descartável. “A questão tem dois lados. O negativo, a pessoa clica e fala com quem lhe interessa no momento que quiser, inventa-se um personagem, ou seja, não se respeita o outro do outro lado do monitor. O lado positivo, se a partir de paqueras via net, o adolescente consegue se soltar e vivenciar mesmo virtualmente o que é se relacionar com alguém, acho válido como treino para pessoas tímidas e, só se depois do treino, partir para relacionamentos reais”, afirma ela.

Já para o neurologista, psicoterapeuta e professor da disciplina de Propedêutica do curso de Medicina da UFPR, Mário Negrão, é preciso considerar quatro pontos de vista sobre o namoro virtual: a adaptação, a intenção, o encontro e a verdade.

Adaptação

Não podemos excomungar nem considerar o namoro virtual como uma anomalia. “Os tempos mudaram e este tipo de comportamento hoje faz parte do nosso cotidiano. Mal dizer este tipo de atitude é perda de tempo. Temos sim é que nos adaptar à nova realidade. Não dá mais para fugir dela”, observa ele.

Intenção

É preciso, segundo o psicoterapeuta, considerar a intenção com que a pessoa faz tais contatos virtuais. “Quando se cria uma amizade e isso vai se aprofundando pouco a pouco, ou seja, quando a intenção inicial não era achar alguém e a paixão simplesmente acontece… a experiência é muito válida. Agora, quando a intenção é encontrar alguém, a busca pode ser desastrosa. A internet, ou melhor, o namoro virtual é bom, mas não para os desesperados. Aqueles que gostam de fazer amizades acabam inevitavelmente ‘tropeçando’ em alguém interessante”, observa Negrão.

Encontro real

“Depois de diversos contatos e conversas on-line e a pessoa já está gostando da outra, o encontro pessoal é imperativo,caso contrário o romance ficará apenas no virtual. E aí teremos um romance como o do músico Tchaicowski, que se correspondeu a vida toda com uma mulher e os dois se viram pouquíssimas vezes… e sabemos que o músico preferia outro tipo de relacionamento, o homossexual. Por isso, devemos saber a hora certa do encontro real”, explica.

Nunca minta

O interesse neste tipo de relação é sui generis porque não existe o contato real. “Já que a presença física não é real, a informação deve ser real. A mentira poderá levar a uma situação bastante embaraçosa e até mesmo desastrosa”, explica Negrão.

Fonte: Tudo Paraná

Anúncios

3 Respostas to “A Internet Mudou a Paquera”

  1. bields84 Says:

    Olá passei aqui de novo para avisar que o blog de psicologia antigo saiu do ar devido aos muitos acessos simultaneos, entao, estou aqui pra te avisar do novo blog: ==> http://psicologiaparatodos.orgfree.com/blogpsicologia

    não esqueça de visitar! Pode esquecer o outro endereço!

    Abraços!

    biel

  2. Manual das Encalhadas Says:

    Atitudes que levam ao fracasso da relação…

    Olá! Vim deixar meu oi e convidá-los a dar um pulinho no #ManualdasEncalhadas Beijoooos…

  3. Seu Guia Definitivo Says:

    Mudou tudo mas só não mudou uma coisa: A procura da cara metade ainda continua, só que agora online.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: