Somos Todos Fofoqueiros

Fofoca” por Thomas Benjamin Kennington (1856-1916)

*Por Eugenio Mussak

Maria Olímpia tinha uma amiga que, por ter nascido no dia 7 de setembro, era conhecida como Independência. Viviam no Rio de Janeiro, na década de 80 do século 19, época em que as amizades, principalmente entre as moças, respondiam por várias das necessidades humanas, como lazer, segurança e informação. O mundo de então era pequeno. Era limitado pela comunicação precária, pela lentidão do deslocamento, pela parcimônia das opções. Restavam as pessoas. A amizade solidária era um bem a ser preservado. As duas amigas cumpriam, uma para a outra, esse mix de atribuições socio-familiares. Maria Olímpia, aos 26 anos, era casada com um advogado recém-formado, competente e dono de um futuro brilhante, como todos diziam. Já Independência, pobre moça, mal tinha chegado aos 30 e já era viúva de um militar. Morava com sua mãe, era religiosa com fervor e dava sinais de que estava conformada com sua viuvez e com todo o conjunto de conseqüências que isso acarretava em uma sociedade católica e conservadora.

Mas, claro, como em toda história machadiana, nesse sistema que operava calmamente as funções previstas pelo circunscrito contrato social, eis que entra um vírus perturbador, daqueles capazes de afetar todos os aplicativos do bom convívio: a fofoca. O que começou com chistes sugestivos e comentários pseudocolaborativos chegou ao requinte cruel das cartas anônimas, inicialmente esparsas, depois semanais. Tudo sinalizava para a tragédia moderna: a viúva estava tendo um caso com o marido da amiga.

Machado de Assis, autor do conto A Senhora do Galvão, ao qual pertencem os personagens acima, não deixa claro se tal dupla traição realmente aconteceu. Assim como em Dom Casmurro, que chega ao epílogo sem esclarecer se Capitu realmente traiu Bentinho com o amigo Escobar, nunca saberemos se Independência e o advogado Galvão foram amantes. A narrativa machadiana não quer ser explícita. Seu viés psicológico visa explorar a alma, não a conduta. O que interessa não é a traição ou suas conseqüências, e sim o substrato humano que os sustenta. No caso, a inexplicável compulsão das pessoas ao controle do comportamento alheio e ao autoproclamado direito de julgar e condenar ao suplício do comentário fácil e irresponsável. Estamos falando da necessidade que as pessoas têm de comentar com senso crítico a vida dos outros; em outras palavras, fazer fofoca.

Característica humana

Dizem que existe fofoca pelo simples motivo de vivermos em sociedade. Para que isso seja justificativa suficiente, vale lembrar que para que um grupo de pessoas passe a ser considerado uma sociedade, é necessário que tais pessoas tenham interesse umas pelas outras. Nesse caso, é inevitável que umas comentem sobre as outras. De certa forma, ao fazer um comentário sobre alguém, estamos tentando compreender a essência da própria espécie humana, portanto estamos fazendo um exercício de autoconhecimento. Aquele que não se interessa por ninguém padece de uma sociopatia que o leva a se afastar do convívio, o que prejudica até a relação intrapessoal. Portanto, parece que todo mundo faz fofoca. O que varia entre as pessoas é a quantidade e a natureza da fofoca que fazem. Há gente muito fofoqueira e há os fofoqueiros circunstanciais. Há aqueles que usam a fofoca como maledicência, realmente prejudicando os que são seus alvos; e há os que se divertem com fofocas inocentes. Mas todo mundo faz fofoca, é da natureza humana – Machado explica.

O grande mal da fofoca é a parcialidade da interpretação de quem a faz. Comentar algo sobre a vida de alguém é uma coisa, emitir juízo de valor sobre a mesma é outra. Dizer que o chefe do escritório está trabalhando demais e tem apresentado sinais de estresse é uma coisa; mas insinuar que ele fica no escritório porque, provavelmente, está brigado com a mulher e ainda por cima desconta em cima dos funcionários é outra totalmente diferente.

Aliás, ambientes de trabalho são um caldo de cultura ideal para o crescimento da fofoca. Nesse caso, fofoca é como estresse: não dá para evitar, mas dá para administrar. As empresas modernas estão muito interessadas em gerar bom clima organizacional, o que equivale a ter um ambiente de trabalho saudável, em que as pessoas convivem em harmonia, colaborando umas com as outras. O coleguismo ultrapassa a relação profissional, ainda que não se transforme necessariamente em amizade. Há discordâncias, mas também há respeito. Nesse tipo de ambiente, se houver fofoca, não será destrutiva. Mas quando as funções se sobrepõem, e o que deveria ser colaboração se transforma em competição, é quase inevitável que a fofoca venha na garupa dos cavaleiros do apocalipse corporativo.

O psiquiatra Ângelo Gaiarsa é um estudioso da alma humana. Polêmico, não se limita aos temas clássicos da psicologia acadêmica – tanto que, entre os assuntos de seu interesse que viraram livros, encontramos um curioso Tratado Geral sobre a Fofoca. Gaiarsa interessa-se pelo cotidiano das pessoas. Ele nos informa, por exemplo, que sua observação detectou que apenas 20% das informações trocadas entre as pessoas em qualquer ambiente têm realmente alguma utilidade. O resto é futilidade, é falar por falar. Nesse conjunto, a fofoca reina soberana. Pertencem ao mesmo grupo coisas como falar do chefe, da mulher do amigo ou de tal atriz, sugerindo que todos eles não são o que parecem ser, mas o que tentam esconder.

Então fofocamos 80% do tempo? Pode até ser, mas outro estudo dá conta de que, desse tempo, apenas 5% ou menos são utilizados para fazer fofocas negativas, aquelas que realmente podem prejudicar alguém. A maior parte das fofocas, então, é inócua. O problema é que o poder destrutivo daquela pequena parcela lembra a energia contida no urânio enriquecido.

Ventinhos ou vendavais

Uma fofoca é como o vento. Passa, mas vai deixar alguma conseqüência. Se for apenas um ventinho, a conseqüência nem será sentida, mas se for um vendaval, pode deixar um rastro de destruição. Há fofocas que parecem brisas, servem até para refrescar um ambiente tenso, funcionam como um momento curioso, engraçado, e até ajudam a relaxar. Mas aquelas que parecem um furacão do Caribe abalam as estruturas das relações, prejudicam carreiras, acabam com amizades.

Se, por um lado, a fofoca derivada da curiosidade natural que as pessoas têm umas sobre as outras as leva a comentar sobre elas, por outro, pode ultrapassar o limite do impessoal e chegar ao território do particular. Dizer que fulana ficou bem com o novo corte de cabelo e que beltrana está engordando não prejudica ninguém. Pior seria ninguém notar o novo visual, porque isso significaria que a pessoa simplesmente não tem importância. Portanto, a fofoca nem sempre tem uma conotação ruim ou destrutiva.

Mas às vezes a fofoca visa revelar pecados – e quem não os tem? E o pior é que esses pecados podem ser reais, mas também podem ser apenas imaginados. Fofocar sobre o caso que a colega está tendo com um homem casado pode prejudicar a imagem dela, com repercussões no seu trabalho, em suas amizades e até em sua família. Se ela estiver tendo tal caso, isso pertence ao mundo emocional dela, e ninguém tem o direito de julgar. E se não estiver, tal fofoca transforma-se em falsidade, e a difamação que advém dela pode gerar até processo judicial.

Gaiarsa nos alerta para o fato de que sempre estaremos ligados a fofocas, ou como vítimas ou como agentes. E que, se há uma possibilidade, ainda que pequena, de que sejamos menos vítima, o caminho é sermos menos agente. Parece que as pessoas sentem mais culpa em comentar a vida daqueles que não se metem na vida de ninguém e, ao contrário, não só as preservam como as defendem. Em outras palavras, quem não quer ser vítima de fofoca, que não fofoque.

E esse alerta vale tanto para homens quanto para mulheres. Não se enganem as mulheres nem se ufanem os homens. Ambos fofocam. Podem variar o foco e a intenção, mas o princípio é o mesmo. Essa é uma injustiça que se pratica com o sexo feminino e que precisa ser reabilitada, pois o que acontece é que as mulheres são mais autênticas, e admitem que aquele comentário é exatamente o que é, uma inocente fofoca. Já os homens travestem seus comentários maldosos com a roupagem pomposa das observações colaborativas ou com a fantasia colorida do gracejo masculino. Mas no fundo, tudo é fofoca, vamos ser honestos.

Aliás, alguns conhecidos machos não só transformaram a fofoca em profissão como ainda a alçaram à condição de um modelo particular de jornalismo. Foi no Rio de Janeiro dos anos dourados – década de 1950 – que o jornalista Ibrahim Sued criou, no jornal Vanguarda, sua coluna diária, que recebeu o sugestivo nome de Zum-zum, numa alusão direta ao rumor, a coisas que se estão falando por aí, ao que a sociedade está dizendo, enfim, à fofoca. Tal coluna foi publicada entre 1951 e 1995, ano de falecimento do colunista, e alcançou a marca de mais de 15000 publicações.

A Zum-zum não perdoava ninguém. Funcionava como uma espécie de consciência do brasileiro que começava a se entender como protagonista da construção de uma nação. O Rio de Janeiro, ou Belacap, como preferia o Ibrahim, era vigiada pela imensa rede de ¿fontes¿ que o colunista criou e que atuava em todas as áreas, dos acontecimentos sociais aos fatos políticos, dos eventos culturais aos problemas sociais. Durante todas essas décadas, Ibrahim foi lido, admirado, temido, odiado, provavelmente em proporções iguais. E acabou criando um estilo jornalístico que foi seguido – e ainda é – por dezenas de outros colunistas que ajudam, entre outras coisas, a controlar os excessos, especialmente dos que detêm algum poder, seja político, econômico ou artístico. Era bom sair no Zum-zum, mas pelo motivo certo, é claro.

Cuidado com a fofoca. A filosofia do ¿falem mal, mas falem de mim¿ cobra seu pedágio. É melhor ser referência de fatos construtivos, ainda que ninguém esteja livre de uma intrigazinha, especialmente quando o sucesso de alguém funciona como ofensa a outro. Aí, paciência. Como dizia o Ibrahim Sued: ¿Os cães ladram e a caravana passa¿.

*Eugenio Mussak é educador e escritor. No espaço “Pensando Bem” da Revista Vida Simples, de onde este artigo foi retirado, ele faz reflexões a partir de inquietações levantadas pelos leitores. Envie suas dúvidas para: pensandobem@abril.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: