A Escola Mata a Criatividade?

Caso você não esteja visualizando as legendas em português no vídeo, faça o seguinte: vá na barra – logo abaixo da imagem – onde está escrito “view subtitles” e clique; depois role a barra à direita para baixo e clique em “portuguese”, o de cima que é o do Brasil

No vídeo acima, Sir Ken Robinson defende a criação de um sistema educacional que estimule a criatividade. Na visão do palestrante, o modelo tradicional de ensino tende a enfraquecer as potencialidades criativas do estudante.

De maneira divertida, Robinson leva a audiência a refletir sobre uma questão em especial: Porque não somos capazes de extrair o melhor das pessoas? Na visão do especialista em criatividade, a educação que recebemos nos prepara para sermos bons trabalhadores mas não pensadores criativos. Assim, estudantes inquietos e curiosos tendem a ser ignorados e, muitas vezes, estigmatizados pela escola, o que gera terríveis consequências para o desenvolvimento pessoal.

Sir Ken Robinson tem sido visto como um visionário e líder cultural que nos anos de 1998 levou o governo britânico a repensar o papel da criatividade no sistema educacional e na economia. Em 2003, Robinson foi ordenado Cavaleiro, recebendo o título de “Sir”. Seu último trabalho é o livro The Element: How Finding Your Passion Changes Everything, de 2009, ainda não lançado no Brasil.

A tradução da palestra do inglês para o português foi feita por Renan Botelho, com revisão de Belucio Haibara.

Assista outras palestras do TED em português, clicando AQUI

Pensando Criticamente as Novas Abordagens de Ensino

*Por Danilo Albergaria

Ao pensar na atividade de ensinar e aprender, é difícil escapar da imagem tradicional: um professor que transmite o conhecimento a um aluno pronto para absorver ao máximo os ensinamentos do mestre; e o desempenho do pupilo dependente deste professor que guia, inspira e indica outras fontes seguras de conhecimento. Com o desgaste desse modelo tradicional, durante o século XX, foram surgindo, como reação, uma série de tentativas de atribuir ao aluno um papel mais ativo, mais independente e responsável por seu aprendizado.

Nascido nos anos 1960, o PBL (Problem-based Learning, ou Aprendizado Baseado em Problemas) é uma das alternativas bem sucedidas nessa área. Leia o resto deste post »

Cada Um No Seu Próprio Ritmo

Sob o ponto de vista behaviorista, a pedagogia entende o aprendiz não como uma máquina de acúmulo de conhecimentos, mas um indivíduo único e modificado para o resto da vida

*Por Alessandro Vieira dos Reis

Nos anos 1950, B.F. Skinner não apenas levantava hipóteses sobre tecnologias pedagógicas, mas efetivamente criava “máquinas de ensinar”. O dispositivo mecânico e rudimentar funcionava com roldanas e fichas. O aluno rolava um texto recheado com questões e à medida que as respondia seguia adiante. As máquinas de ensinar indicavam o acerto ou erro do aluno imediatamente, diferentemente de provas em que a correção poderia demorar dias. Por esse feedback imediato, o reforço do acerto tinha mais força e o aluno poderia corrigir rapidamente os erros. As máquinas de ensinar poderiam ajudar na instrução, segundo Skinner, a respeito de qualquer saber traduzível em textos e expresso em forma simbólica, tais como gramática e matemática. Leia o resto deste post »

Jung, o Gênero e a Escola Coeducativa

*Excertos de Juan Carlos Alonso e Ana Rico de Alonso

(…) (…) (…) (…)

Uma das funções básicas da escola é formar para o desenvolvimento de uma ocupação (ofício, profissão), que lhe permita ao sujeito cobrir a sobrevivência sua e de seu grupo familiar. A seleção que faz um jovem de uma ocupação não só define as possíveis trajetórias trabalhistas e econômicas de um indivíduo, senão que determina em grande parte, as características de seu projeto de vida. A formação que se dá na escola, portanto, pode desenvolver ou não muitas das potencialidades das/dos alunas/nos e assim mesmo pode estimular ou inibir a seleção de campos disciplinares que conduzam a sua vez a determinadas opções ocupacionais. Leia o resto deste post »

Brincadeiras Perversas

O bullying é caracterizado por violência recorrente, desequilíbrio de poder e intenção de humilhar; a prática, freqüente nas escolas, pode levar as vítimas à depressão e ao suicídio

*Por Cleo Fante

A violência e seus impactos são temas freqüentes nos debates nacionais e internacionais, especialmente quando se desdobram em tragédias que envolvem estudantes e instituições escolares. É fato que tais acontecimentos trazem à luz questões até então negligenciadas no passado, como a violência entre os estudantes. Leia o resto deste post »

Noticias Sobre a Escola

Uso de Meios Digitais na Educação Pode Melhorar Aprendizagem

Recursos digitais ajudam a aumentar a interação entre professor e aluno e ampliam espaço da sala de aula

A inclusão de recursos digitais em salas de aula ajuda a aumentar a comunicação entre estudantes e professores. Projetos desenvolvidos por meio de blogs e aulas interativas incentivam a maior participação dos alunos nas atividades escolares e proporcionam benefícios na aprendizagem. “Os alunos praticamente já nascem sabendo usar computadores e nada mais natural e importante do que os professores passarem a usar os recursos digitais para melhorar o aproveitamento da disciplina”, afirma a professora Lina Maria Braga Mendes. Leia o resto deste post »