Papeando sobre conhecimento e Ano Novo…Metamorfoses necessárias

2009 está chegando ao fim, e nós do grupo Papeando Com a Psicologia estamos satisfeitos por termos conseguido dar continuidade ao nosso propósito de divulgar o conhecimento psicológico. O que foi possível ao compartilhamos mais um ciclo de debates com todos vocês que nos visitaram, aqui no mundo virtual e nos nossos encontros ao longo deste ano.

Tendo a Psicologia como ponto de partida, tivemos a oportunidade de debater 11 temas diferentes: Contos de Fada, Comida, Casa, Mal, Mulher, Moda, Sexo, Esoterismo, Mente Criminosa, Dinheiro e Trabalho. Em todos foi gratificante a participação de pessoas com as mais diferentes formações. A diversidade de temas e de visitantes, que caracteriza os encontros do Papeando, tem permitido uma troca singular de idéias sobre a vida e o conhecimento que tenta explicá-la. Continue lendo »

As Três Graças – Deusas da Felicidade

carites

Por Angelita Corrêa Scardua


Na Mitologia Grega, as Graças são conhecidas como as “Deusas da Felicidade”. Elas são representadas por três mulheres: Aglaia/Abigail, Euphrosyna e Thalia. Cada uma delas personifica, respectivamente, o esplendor, a alegria, o desabrochar.


Na Teogonia de Hesiodo, o poeta grego, ele sustenta que as Graças eram filhas de Zeus, o deus dos deuses, e de Eurynome, uma ninfa do mar filha do próprio Oceano. Hesíodo descreveu as Cárites – o outro nome das Graças, que vem do grego Chari – como jovens de belas faces, senhoras da fertilidade, do encantamento, da beleza e da amizade. Continue lendo »

Entrevista – Angelita Corrêa Scardua: Psicóloga da Felicidade

feliz-triste

“A felicidade está nas coisas simples da vida.”

Náira Malze – Jornal A Gazeta: Dezembro de 2007

Psicóloga diz que a felicidade está no auto conhecimento e na maneira como nos relacionamos com o mundo.

A felicidade, sempre desejada e cantada em verso e prosa, é mais do que um objetivo na vida da psicóloga Angelita Corrêa Scardua. É o tema sobre o qual ela faz pesquisas, seguindo a linha da psicologia positiva – não por acaso chamada também de “Ciência da Felicidade”. Nesses estudos, Angelita chegou a várias conclusões. Uma delas é de que o brasileiro não é tão feliz quanto se imagina. Outra é que a felicidade depende mais das relações que estabelecemos e menos do quanto temos na conta bancária para gastar. Continue lendo »

Sem Medo de Alcançar a Cobiçada Felicidade

nurture375_7i59

Por Adriane Rachel Behar e Maria Carolina Maia
Revista da Hora, Jornal Agora/SP: 17/10/2004

Remédios para emagrecer, carro do ano, livros de auto-ajuda. Nunca se viu tanta promessa de felicidade nas prateleiras. E nunca se vendeu tanta ilusão de uma vida feliz como nos dias de hoje. Mas, contraditoriamente, obter um produto da indústria da alegria não representa assegurar a felicidade. É o que atestam os pesquisadores,que cada vez mais se debruçam sobre o tema para entender o que provoca e como é possível atingir a cobiçada felicidade. Continue lendo »

Você Merece Ser Feliz

header-right

Existe fórmula para a felicidade? Não, mas a Psicologia Positiva ensina o caminho para se chegar a ela. Saiba como!

Reportagem – Dani Costa

Caderno Leve a Vida – Jornal A gazeta: 02/01/2005

Muito se fala sobre felicidade. Ela costuma ser abordada por idosos, adultos,jovens e crianças. É discutida na TV, nos jornais, nas revistas. Por julgarmos que ela é essencial para a vida, medimos nossas ações no quanto poderemos ser felizes com as conseqüências dela, ou interpretamos os acontecimentos da vida sob a perspectiva do “estar feliz”. Mesmo quem não se considera feliz, sabe a importância da felicidade e preza por ela. No fundo, a maioria das pessoas acredita que ser feliz é o sentimento básico para se sentir vivo. Caso contrário, não haveria sentido. Continue lendo »

Entrevista – Martin Seligman: O Doutor Felicidade

Martin Seligman

Um dos expoentes da psicologia positiva, o autor americano diz quais são os caminhos para alcançar o extraordinário mundo das pessoas felizes

Anna Paula Buchalla – Revista Veja: Março de 2004

A influência das emoções sobre a saúde intriga os médicos desde a Antiguidade. A maior parte dos tratados e pesquisas investiga os efeitos deletérios dos sentimentos negativos, como a tristeza, a angústia e a raiva. Há cerca de vinte anos, no entanto, psicólogos e psiquiatras inauguraram uma nova corrente, a ‘psicologia positiva’, que visa a determinar o peso das emoções boas no equilíbrio físico e mental. Um dos principais representantes desse movimento é o psicólogo Martin Seligman, de 61 anos, professor da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Seligman, que por quase trinta anos lidou com pacientes deprimidos, resolveu inverter o curso de seus estudos. Continue lendo »

Dê sua resposta à vida

relogio-tempo

Carol Scolforo

Sangue de barata, inexpressividade, inércia mórbida e falta de vontade de sentir a vida pulsar. Some todos esses ingredientes, cozinhe em banho maria e pronto. Está aí um apático dos bons. Ou melhor, dos ruins: o comportamento não expressa nem tristeza, nem alegria. Se trata, na verdade, de uma anestesia perante a vida.

Na verdade, é preciso recorrer ao latim para entender o que a apatia realmente provoca: o termo deriva de pathos, que significa algo que apaixona, que toca, que liga, que afeta. Só que seu sufixo indica o contrário disso tudo. ‘É como se houvesse um descompasso entre o que a pessoa vive, e o que ela pode viver’, resume a psicóloga Angelita Corrêa Scárdua. Continue lendo »

Dinheiro e Felicidade

CB022158

Abdo Filho – afilho@redegazeta.com.br

Nem pão-duro nem gastador: equilíbrio é o que traz bem-estar

Dinheiro traz ou não traz felicidade? O assunto, controverso, é tema recorrente de debates entre especialistas. Alguns estudos mostram que sim, o dinheiro traz felicidade. Já outros dizem que não. É bom que se diga que, nas duas pontas da discussão, estão estudos feitos e divulgados por instituições e publicações respeitadas. Para os pesquisadores da University of British Columbia (UBC) e da Harvard Business School, por exemplo, o dinheiro pode não comprar amor, mas pode comprar felicidade.O segredo é: você tem de gastá-lo com outra pessoa. De acordo com o estudo, pessoas que gastam bastante com presentes para outros e fazemdo ações para caridade são mais felizes. Continue lendo »

Pílula da Felicidade?

pilula-da-felicidade

Angelita Corrêa Scárdua


O que torna alguém feliz? É possível ser feliz 24hs por dia? Ser feliz é o mesmo que ser alegre? A felicidade exclui experiências negativas? Alguns psicólogos esforçam-se por tentar responder a essas e a muitas outras perguntas, e eu me incluo entre eles. Pouco sabemos sobre a felicidade, ao contrário, durante muito tempo, era muito mais fácil encontrarmos em abundância páginas e páginas de estudos sobre a infelicidade, a dor, a tristeza, e todo tipo de experiência que consideramos ser responsável pela infelicidade. Continue lendo »

Trabalho e Felicidade

imagem-radar-texto-2

Diná Sanchonete

Angelita Scárdua, Psicóloga: ‘Não dá para ter felicidade se a pessoa não for feliz no trabalho’

A Psicologia junguiana, na sua abordagem da personalidade e do desenvolvimento humano, trabalha com a idéia de Vocação. Segundo a psicóloga Angelita Scardua, as pessoas precisam ser capazes de parar, e ouvir, o chamado da própria vocação na hora de decidir que carreira seguir. Mais ainda, se a decisão implica mudanças de rumo, a confiança na própria escolha precisa estar em alta. Afinal, na hora de encarar uma mudança, é importante que se esteja pronto para o descrédito e a crítica de amigos e familiares. “É mais do que comum que os outros taxem àquele que está mudando de louco! Acontece que, se uma pessoa está envolvida com um trabalho que não lhe permite realizar suas potencialidades – sejam elas intelectuais, emocionais ou mesmo físicas– a realização profissional se torna praticamente impossível. Não dá para ter felicidade se não for feliz no trabalho’, disse. Continue lendo »