Papeando sobre conhecimento e Ano Novo…Metamorfoses necessárias

2009 está chegando ao fim, e nós do grupo Papeando Com a Psicologia estamos satisfeitos por termos conseguido dar continuidade ao nosso propósito de divulgar o conhecimento psicológico. O que foi possível ao compartilhamos mais um ciclo de debates com todos vocês que nos visitaram, aqui no mundo virtual e nos nossos encontros ao longo deste ano.

Tendo a Psicologia como ponto de partida, tivemos a oportunidade de debater 11 temas diferentes: Contos de Fada, Comida, Casa, Mal, Mulher, Moda, Sexo, Esoterismo, Mente Criminosa, Dinheiro e Trabalho. Em todos foi gratificante a participação de pessoas com as mais diferentes formações. A diversidade de temas e de visitantes, que caracteriza os encontros do Papeando, tem permitido uma troca singular de idéias sobre a vida e o conhecimento que tenta explicá-la. Continue lendo »

Anúncios

As Três Graças – Deusas da Felicidade

carites

Por Angelita Corrêa Scardua


Na Mitologia Grega, as Graças são conhecidas como as “Deusas da Felicidade”. Elas são representadas por três mulheres: Aglaia/Abigail, Euphrosyna e Thalia. Cada uma delas personifica, respectivamente, o esplendor, a alegria, o desabrochar.


Na Teogonia de Hesiodo, o poeta grego, ele sustenta que as Graças eram filhas de Zeus, o deus dos deuses, e de Eurynome, uma ninfa do mar filha do próprio Oceano. Hesíodo descreveu as Cárites – o outro nome das Graças, que vem do grego Chari – como jovens de belas faces, senhoras da fertilidade, do encantamento, da beleza e da amizade. Continue lendo »

Entrevista – Angelita Corrêa Scardua: Psicóloga da Felicidade

feliz-triste

“A felicidade está nas coisas simples da vida.”

Náira Malze – Jornal A Gazeta: Dezembro de 2007

Psicóloga diz que a felicidade está no auto conhecimento e na maneira como nos relacionamos com o mundo.

A felicidade, sempre desejada e cantada em verso e prosa, é mais do que um objetivo na vida da psicóloga Angelita Corrêa Scardua. É o tema sobre o qual ela faz pesquisas, seguindo a linha da psicologia positiva – não por acaso chamada também de “Ciência da Felicidade”. Nesses estudos, Angelita chegou a várias conclusões. Uma delas é de que o brasileiro não é tão feliz quanto se imagina. Outra é que a felicidade depende mais das relações que estabelecemos e menos do quanto temos na conta bancária para gastar. Continue lendo »

Sem Medo de Alcançar a Cobiçada Felicidade

nurture375_7i59

Por Adriane Rachel Behar e Maria Carolina Maia
Revista da Hora, Jornal Agora/SP: 17/10/2004

Remédios para emagrecer, carro do ano, livros de auto-ajuda. Nunca se viu tanta promessa de felicidade nas prateleiras. E nunca se vendeu tanta ilusão de uma vida feliz como nos dias de hoje. Mas, contraditoriamente, obter um produto da indústria da alegria não representa assegurar a felicidade. É o que atestam os pesquisadores,que cada vez mais se debruçam sobre o tema para entender o que provoca e como é possível atingir a cobiçada felicidade. Continue lendo »

Você Merece Ser Feliz

header-right

Existe fórmula para a felicidade? Não, mas a Psicologia Positiva ensina o caminho para se chegar a ela. Saiba como!

Reportagem – Dani Costa

Caderno Leve a Vida – Jornal A gazeta: 02/01/2005

Muito se fala sobre felicidade. Ela costuma ser abordada por idosos, adultos,jovens e crianças. É discutida na TV, nos jornais, nas revistas. Por julgarmos que ela é essencial para a vida, medimos nossas ações no quanto poderemos ser felizes com as conseqüências dela, ou interpretamos os acontecimentos da vida sob a perspectiva do “estar feliz”. Mesmo quem não se considera feliz, sabe a importância da felicidade e preza por ela. No fundo, a maioria das pessoas acredita que ser feliz é o sentimento básico para se sentir vivo. Caso contrário, não haveria sentido. Continue lendo »

Entrevista – Martin Seligman: O Doutor Felicidade

Martin Seligman

Um dos expoentes da psicologia positiva, o autor americano diz quais são os caminhos para alcançar o extraordinário mundo das pessoas felizes

Anna Paula Buchalla – Revista Veja: Março de 2004

A influência das emoções sobre a saúde intriga os médicos desde a Antiguidade. A maior parte dos tratados e pesquisas investiga os efeitos deletérios dos sentimentos negativos, como a tristeza, a angústia e a raiva. Há cerca de vinte anos, no entanto, psicólogos e psiquiatras inauguraram uma nova corrente, a ‘psicologia positiva’, que visa a determinar o peso das emoções boas no equilíbrio físico e mental. Um dos principais representantes desse movimento é o psicólogo Martin Seligman, de 61 anos, professor da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Seligman, que por quase trinta anos lidou com pacientes deprimidos, resolveu inverter o curso de seus estudos. Continue lendo »

Dê sua resposta à vida

relogio-tempo

Carol Scolforo

Sangue de barata, inexpressividade, inércia mórbida e falta de vontade de sentir a vida pulsar. Some todos esses ingredientes, cozinhe em banho maria e pronto. Está aí um apático dos bons. Ou melhor, dos ruins: o comportamento não expressa nem tristeza, nem alegria. Se trata, na verdade, de uma anestesia perante a vida.

Na verdade, é preciso recorrer ao latim para entender o que a apatia realmente provoca: o termo deriva de pathos, que significa algo que apaixona, que toca, que liga, que afeta. Só que seu sufixo indica o contrário disso tudo. ‘É como se houvesse um descompasso entre o que a pessoa vive, e o que ela pode viver’, resume a psicóloga Angelita Corrêa Scárdua. Continue lendo »