Do Uso da Internet Como Forma de Resistência às Imagens Femininas Impostas Pela Mídia Tradicional

*Por Cynthia Semíramis Machado Vianna

Considerações iniciais

A imagem do ser humano, no século vinte, foi transformada através dos meios de comunicação de massa. A mídia divulgou e impôs um padrão de imagem que, longe de refletir a diversidade cultural, transformou alguns corpos em modelos estéticos a serem seguidos, mesmo que esses modelos violem as noções científicas do que deveria ser um corpo saudável e não correspondam à aparência da maioria da mulheres do mundo. Continue lendo »

Mensagem Subliminar: paranóia ou ciência?

*Por Daniela Klebis

O estudo das mensagens subliminares, aqueles estímulos imperceptíveis captados pelo subconsciente, é ainda um campo a ser melhor explorado pela ciência. Embora seja freqüentemente tema central de teorias conspiratórias sobre manipulação das mentes, as pesquisas científicas realizadas até hoje não foram suficientes para comprovar se elas podem ou não controlar inadvertidamente nossas emoções e atitudes. As opiniões sobre seus efeitos são as mais controversas e muitas das teorias criadas se apóiam, forçadamente, em conceitos da psicologia e da semiótica. Continue lendo »

Abaixo as calamidades; animação é o nome do jogo

*Por Alberto Dines em 10/2/2010

Dez dias depois do espetacular lançamento mundial, desapareceu do noticiário o mais recente gadget inventado por Steve Jobs. Não se assustem, novidadeiros: em 2011 virá outro brinquedinho imbatível. As eternas crianças precisam se divertir. Continue lendo »

Grande Mídia Isolada do Brasil

*Por Venício A. de Lima em 9/2/2010

Trabalhando em algumas capitais estaduais ou na Praça dos Três Poderes, em Brasília, os chamados “formadores de opinião” da grande mídia – sobretudo jornais e emissoras de TV – acabam por se isolar do cotidiano da maioria da população brasileira. Acredito que faria muito bem a eles viajar, periodicamente, pelo interior do Brasil. Não importa a região, o estado ou até mesmo as cidades visitadas. A exceção talvez seja o interior de São Paulo, área onde são distribuídos dois dos três jornalões que se consideram nacionais. Continue lendo »

Estadão Comenta Confecom

*Por Nivaldo Cordeiro, em 15 Dezembro 2009

Hoje o Estadão trouxe duas matérias sobre o CONFECOM. Conversei com o repórter que escreveu as matérias, aliás muito boas. O Estadão quebrou mesmo o silêncio da grande mídia à Conferência. João Domingos foi muito feliz ao destacar que o foco é o “controle social da mídia”. Nessa expressão está contida toda a razão de ser do evento, toda sua má fé. Controle social da mídia é um eufemismo para expressão do afã de controlar o conteúdo e os meios de comunicação. Se depender dos atores que compõem a CONFECOM a liberdade de imprensa como a conhecemos vai desaparecer, ficando no seu lugar os press release dos agentes revolucionários. É o totalitarismo com todas as letras. Continue lendo »

Telinha Multifacetada

O impacto dos padrões de comportamento e beleza estampados pela mídia na construção da subjetividade de crianças e adolescentes mobiliza saberes.

*Por Carolina Salles

Finalmente a mulher vai poder ir à praia com dignidade”. A frase proferida recentemente por um médico ao fazer propaganda de procedimentos utilizados no combate à celulite, em um canal de televisão, é o ponto de partida escolhido pela psicóloga Jane Felipe de Souza para pontuar o quanto o sexo feminino tem sido capturado por discursos persuasivos, vindos das mais diferentes áreas do conhecimento e ecoados pela mídia. “Mulheres e meninas aprendem hoje que o poder reside na sua capacidade de sedução. E para seduzir precisam ser belas. Se você não se rende a esse padrão, é vista como uma pessoa desleixada, que não se ama e não tem disciplina para seguir os ditames de uma dieta rigorosa, por exemplo. Persegue-se, assim, um modelo de beleza extremamente idealizado, que na realidade não existe”, explica. Continue lendo »

O Papel da Mídia na Difusão das Representações Sociais

*Por Marcos Alexandre

A origem da expressão representação social é européia. Ela remete ao conceito de representação coletiva de Émile Durkheim, por longo tempo esquecido, que Serge Moscovici retomou para desenvolver uma teoria das representações sociais no campo da Psicologia Social.

(…) Na definição de Moscovici, a representação social refere-se ao posicionamento e localização da consciência subjetiva nos espaços sociais, com o sentido de constituir percepções por parte dos indivíduos. Nesse contexto, as representações de um objeto social passam por um processo de formação entendido como um encadeamento de fenômenos interativos, fruto dos processos sociais no cotidiano do mundo moderno. Continue lendo »

Mídia, Cultura do Consumo e Constituição da Subjetividade na Infância

*Por Cristiana Caldas Guimarães de Campos e **Solange Jobim e Souza

A contemporaneidade tem-se caracterizado pelas relações de produção e de consumo permeando as interações sociais. Temos acompanhado mudanças nas relações estabelecidas entre adultos e crianças, bem como o surgimento de uma nova produção da subjetividade em função da organização do cotidiano pela mídia e o modo como a experiência das crianças, dos jovens e dos adultos vem se transformando na sociedade de consumo. Portanto, crianças, adolescentes e adultos alteram suas relações intersubjetivas a partir das influências que a mídia e a cultura do consumo exercem sobre todos nós. Continue lendo »

Geração Zapping: tá ligado?

Crianças e jovens estão descobrindo novas maneiras de entender o mundo e se relacionar com base em avanços tecnológicos e transformações culturais

*Por Erane Paladino

Televisão, telefone, fone de ouvido, computador, MP3, Orkut, Twitter, Facebook, MSN, SMS. A conexão é on-line e os estímulos vêm de toda parte. No monitor do laptop ou no visor do celular incontáveis telas são abertas, reduzidas e fechadas em segundos. Surge uma nova linguagem, na qual a grafia das palavras é adaptada, simplificada, e prevalecem abreviações. A informação chega descontextualizada e truncada, inaugurando um novo jeito de compreender o mundo – e se relacionar, na horizontalidade do conhecimento – e caracterizando a chamada geração zapping (expressão de origem inglesa que se refere ao ato de mudar constantemente de canal). Continue lendo »

A Propaganda Contraintuitiva Como Proposta Para Atualização dos Estereótipos

Por *Francisco Leite e  **Leandro Leonardo Batista

Introdução

Refletir sobre os efeitos da comunicação é um desafio, tendo em vista a complexidade para se mensurar suas repercussões no indivíduo e na sociedade. No entanto, a produção de discussões sobre o tema é de alta relevância no que concerne a influência que as estratégias discursivas midiáticas operam na estrutura cognitiva dos indivíduos e seus reflexos também no coletivo social ao provocar alterações sutis ou concretas de atitudes e intenção de comportamentos, pelos seus sentidos produzidos, frente a determinados contextos sociais contemplados nos seus enredos. Continue lendo »