A Vida Sexual dos Brasileiros

Ambiance_carnival

Baseado em um levantamento bastante completo sobre a vida conjugal e sexual dos brasileiros, patrocinado pelos laboratórios Pfizer e coordenado pela psiquiatra Carmita Abdo, do Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas, de São Paulo, alguns dados podem ser muito curiosos e despertam reflexões igualmente interessantes.

A pesquisa recolheu informações de quase 3.000 homens e mulheres entre 18 e 70 anos, de todas as classes sociais. A média nacional de relações é de três por semana. Esse número pode parecer exagerado aos casais que entraram no inevitável período de estabilização, mas ele é um pouco maior que a média de relações nos Estados Unidos. Continue lendo »

Erotismo e Pornografia

woman-legs

*Por Fabiano Puhlmann Di Girolano

Sexualidade é componente fundamental de todo ser humano, é uma modalidade global do ser nos confrontos dos outros e do mundo, vinculando-se a intimidade, a afetividade, a ternura, a um modo de sentir e exprimir-se, vivendo o amor humano e as relações emocionais e afetivo – sexuais; é contato, relação corporal, psíquica e sentimental, é o desejo voltado a pessoas e objetos, é sonho, prazer, mas também sofrimento; é pressentimento do futuro, consciência e plenitude do presente, memória do passado, sentimentos que se alternam, se cruzam de modo imprevisível, exigindo uma progressiva capacidade de compreensão e aceitação, sempre vinculadas a intensas sensações corpóreas. Continue lendo »

As Complementariedades Sexuais: Até Onde Isto Vai?

200069188-001

*Drª Yara Monachesi

Freqüentemente encontramos textos que falam dos sádicos e dos masoquistas, os quais acabam originando um termo que agrega os dois: sado-masoquistas. A literatura séria nos demonstra, com dados científicos, conceitos e argumentos, que não há um sem o outro, ou seja, não há o que gosta de sofrer se não existir aquele que tem prazer em gerar sofrimento. Nos dois casos, há um elemento comum: encontramos associados prazer e dor. Embora com dinâmicas diversas, estão ali presentes, sem nenhuma dúvida, estes dois elementos. Supõe-se que, em algum momento da vida destas pessoas, fez-se e cristalizou-se a associação prazer-dor-sexo. Não há de ser por acaso, portanto, que se formem pares, ou casais, que apresentam os dois elementos: o sofredor e o outro, que gera sofrimento; o que podemos supor? que se atraiam? Talvez, além disso, que dependam um do outro. Este é um assunto já bastante debatido, o qual utilizo apenas para introduzir um outro tema: Continue lendo »

Disfunção Erétil: Uma ilustração clínica

HAIR_01

*Por Tovar Tomaselli

Anos atrás recebi uma indicação de um amigo médico, o qual me solicitava atenção para um paciente seu, para o qual, de acordo com a queixa, não havia tratamento médico a ser realizado. O referido amigo não mencionou, com o que estive plenamente de acordo, nenhum detalhe referente ao caso.

Quando recebi o paciente para a primeira entrevista, perguntei-lhe o que o havia levado a procurar o Dr. X? Disse-me que já o conhecia, uma vez que ele tinha prestado atendimento a um amigo seu. Na verdade disse que o havia procurado por encontrar-se desesperado. Fez um silêncio contido me parecendo que estava prestes a chorar. Continue lendo »

Qual é a medida do prazer?

dorso_01

Por Náira Malze  – *Com atualizações feitas pela entrevistada
Revista.AG (A Gazeta/ES) – 27/04/2008

Esse título pode surpreender – e até chocar – muitos machos que buscam provar a masculinidade justamente pelo órgão sexual. Mas, fisiologicamente, é a única explicação para a crença de que “tamanho determina o prazer”.

Como descreve a psicóloga clínica, mestre em desenvolvimento adulto e felicidade pela USP, Angelita Scardua: na anatomia masculina, há uma proximidade entre o ânus e a próstata, separados apenas pelo períneo. A próstata é responsável por grandes níveis de prazer. Tanto é que se estimulada leva à ejaculação e ao orgasmo. Considerando que ela é a parte mais sensibilizada durante o sexo anal – teria mais sentido dizer que o tamanho do pênis tem uma dose extra de significado nas relações homossexuais já que, durante a penetração, quanto maior o pênis, mais estimulada seria a próstata e maior seria a onda de prazer. Continue lendo »

Mídia e Sexualidade na Educação Infantil

Elle_Sex

refletindo sobre a atuação da indústria cultural e a construção da identidade de gênero na educação infantil

*por Acúrsio Esteves

Introdução

Diferente do que se pensava há algumas décadas atrás, a criança em nosso contexto social desde cedo estabelece vinculação direta do seu cotidiano com situações de experiências ligadas ao desenvolvimento da sexualidade. A profusão e diversidade de informações aliadas à permissividade gerada talvez pelo desejo da negação do preconceito e a vontade de fazer diferente da experiência vivida, faz com que a família a escola e a sociedade no afã de acertar, muitas vezes se confundam e por extensão às próprias crianças na construção da sua sexualidade. Continue lendo »

Dados Psicobiológicos Sobre Comportamento Sexual

Maça_Vermininc

I. Na grande maioria das espécies animais (no qual se inclui a espécie humana) ocorre uma diferença de investimento parental entre os sexos, normalmente com maior investimento por parte da fêmea. Tal facto levará, segundo a teoria de Robert Trivers, à adopção de diferentes estratégias de acasalamento.

II. O sexo que mais invista terá vantagem ao escolher o parceiro de modo criterioso, de forma a assegurar a qualidade genética da sua descendência. Tenderá assim a seguir uma estratégia monogâmica. O sexo que menos invista terá vantagem em aproveitar todas as oportunidades de cópula que lhe surjam, pelo que adoptará uma estratégia poligâmica. Continue lendo »