O Sentido do Tempo

Nosso cérebro recebe e interpreta informações com um ritmo particular, com base em referências mais ou menos realistas.

*Por Alberto Oliverio

Cada um de nós possui uma espécie de relógio interno que determina, por exemplo, a agilidade com que digitamos as teclas de um computador, a cadência da fala ou a velocidade com que um pianista converte uma partitura em som. Em todos esses casos o cérebro recebe e interpreta informações com um ritmo particular, com base em referências mais ou menos realistas. Continue lendo »

A Biologia da Escolha

“Roy Batty”, Digital Art por Andrea Barbieri

*Por Christof Koch e Kerstin Preuschoff

Antes de executarmos um movimento, temos – mesmo sem perceber – a intenção de fazê-lo. Neurocirurgiões já conseguiram despertá-la artificialmente! Ao estimularem determinadas regiões do cérebro, demonstram o poder da “vontade neuronal”. Certamente você já se questionou por que razão fez (ou deixou de fazer) determinada coisa ou por que escolheu esta ou aquela alternativa em uma situação complicada. Afinal, até que ponto realmente podemos escolher? O que define nosso livre-arbítrio – e que parte do cérebro é responsável pela tomada de decisões conscientes? Continue lendo »

Como ajudar o cérebro a tomar melhores decisões

Moll Flanders” por Cowan Dobson (1894-19800

*Por Ana Carolina Prado

Você é capaz de imaginar o que acontece com o seu cérebro quando você está prestes a tomar uma decisão importante? O que nos leva a escolher aquele produto mais caro no supermercado ou qual filme assistir na sexta à noite? A ciência tem se esforçado para entender melhor o processo de tomada de decisões. Um artigo na Scientific American trouxe estudos revelando que, ao contrário do que muita gente pensava, ter muitas opções de escolha nos leva a tomar decisões piores – ou não tomar decisão nenhuma. Continue lendo »

Como Funciona o Medo

Está escuro e você está sozinho em casa. Com exceção do programa que você está assistindo na TV, o silêncio é total. Então, você ouve a porta da frente repentinamente batendo. Sua respiração acelera. Seu coração dispara. Seus músculos enrijecem. Um segundo depois, você percebe que não tem ninguém tentando entrar em sua casa. Era apenas o vento. Mas, por meio segundo, você sentiu tanto medo que reagiu como se sua vida estivesse em perigo. O que causa essa reação tão intensa? O que é o medo exatamente? Neste artigo, vamos examinar as propriedades físicas e psicológicas do medo, descobrir o que causa uma reação de medo e ver algumas maneiras de derrotá-lo.

O que é o medo?

O medo é uma reação em cadeia no cérebro que tem início com um estímulo de estresse e termina com a liberação de compostos químicos que causam aumento da freqüência cardíaca, aceleração na respiração e energização dos músculos. O estímulo pode ser uma aranha, um auditório cheio de pessoas esperando que você fale ou a batida repentina da porta de sua casa. Continue lendo »

Labirintos do Medo

A ansiedade pode ficar fortemente gravada no cérebro humano. Mas não se aflija – pesquisadores já estão descobrindo novas maneiras de apagar esta impressão.

*Por Rüdiger Vaas

Hoje em dia, pelo menos nos países desenvolvidos, dificilmente alguém vai passar por situação de pavor relacionada ao mundo natural. Assim, será muito difícil darmos de cara com uma cobra venenosa ou com um crocodilo faminto nas agitadas ruas de uma metrópole; ou não encontrarmos abrigo num dia de tempestade. Porém, na tentativa de governar as forças da natureza e dirigir o destino da humanidade, acabamos por criar novos riscos e ameaças: estradas de alta velocidade, gases-estufa, armas de fogo ou biológicas e as pressões sociais provocadas por fracassos pessoais ou por períodos de dificuldades financeiras pelos quais às vezes passamos. O fato de esses perigos não serem tão imediatos a ponto de provocar medo real na maioria das pessoas não quer dizer muita coisa. A ansiedade na vida moderna pode ser um fator debilitante para a saúde humana. “Talvez o homem seja a mais medrosa dentre todas as criaturas”, disse uma vez Irineus Eibl-Eibesfeldt, antropólogo emérito do Instituto Max Planck de Fisiologia Comportamental de Seewiesen, Alemanha. “Por ter experimentado, durante muito tempo, os medos mais elementares, como o de ser devorado por seus predadores naturais, o homem, agora, sofre do medo da existência, fundamentado no seu intelecto”, completou Eibesfeldt. Continue lendo »

O Papel da Fofoca na Evolução Humana

Fofoca” por Henry John King (1855-1924)

Fofoca “boa” ajudou evolução humana

Pesquisadores alemães desenvolveram a teoria de que a fofoca “positiva” ajudou o ser humano a evoluir na direção de adquirir altos níveis de cooperação. Ao ajudar os indivíduos a construir sua própria reputação fora do ambiente familiar, rumores positivos os ajudaram a conquistar a confiança alheia – um aspecto fundamental para cimentar as relações sociais e, portanto, o progresso econômico, eles indicaram. Continue lendo »

Noticias Sobre Sonhos

Sonhadora Nua” por Zinaida Serebriakova

Estranho, porém verdade: quanto menos dormimos, mais sonhamos

Perder uma noite de sono turbina os sonhos da noite seguinte

*Por Christie Nicholson

Três anos atrás, Eva Salem se meteu numa encrenca com um crocodilo. Sua mão ficou presa nas mandíbulas mas, mesmo em pânico, ela conseguiu acertar o animal e se livrar dele. Então ela acordou. Continue lendo »