Como a Internet Facilita a Intimidade

Caso você não esteja visualizando as legendas em português no vídeo faça o seguinte: vá na barra – logo abaixo da imagem – onde está escrito “view subtitles” e clique; depois role a barra à direita para baixo e clique em “portuguese”, o de cima que é o do Brasil.

No vídeo acima pode-se ouvir Stefana Broadbent falando sobre as mudanças provocadas nas relações humanas com o advento das mídias digitais.  A palestrante é cientista social no Departamento de Antropologia Digital da University College em Londres, onde pesquisa processos cognitivos. Há décadas ela observa pessoas interagindo com recursos tecnológicos, seja em casa ou em locais de trabalho, para tentar mapear a forma como elas utilizam essas novas ferramentas no cotidiano. Por exemplo: interessa à Stefana se uma pessoa prefere usar o telefone para falar com a mãe, e mais para enviar torpedos ao marido. Ou, se na presença de colegas de trabalho costuma-se enviar tweets para os amigos, etc. Na visão da pesquisadora, o mecanismo que escolhemos para nos comunicar com os outros está relacionado à como percebemos nossas relações afetivas. Em seus estudos, Stefana tem feito descobertas surpreendentes, como o fato de que parte considerável das pessoas atualmente escreve com maior frequência para os amigos do que fala com eles pessoalmente. Descobertas como essa podem criar entre nós o receio de que troca de mensagens via email, MSN, Facebook, Twitter, etc., estejam estragando a intimidade humana. A pesquisa de Stefana Broadbent, contudo, mostra como a tecnologia de comunicação é capaz de cultivar relacionamentos mais profundos e trazer amor, independentemente de barreiras como distância e políticas corporativas

A tradução da palestra do inglês para o português foi feita por Jorge Vacarini Jr, com revisão de Rafael Eufrasio.

Assista outras palestras do TED em português, clicando AQUI

Anúncios

Internet, Imaginário Coletivo e Religiosidade no Mundo Contemporâneo: Um Estudo Preliminar

Excertos de Monografia de *Daniela de Andrade Athuil Galvão de Souza

(…). Como movimento coletivo, o fenômeno Internet tem sido objeto de estudo em diversos campos da ciência. Na tentativa de compreendê-lo, muitos autores recorrem a determinados conceitos nas áreas da filosofia, antropologia e psicologia. Mas a verdade é que ainda são poucas as conclusões a respeito dessa nova forma de interação com o mundo e os seus desdobramentos psíquicos. No entanto, não resta dúvida de que a Internet veio para fazer parte da vida de todos nós. Justifica-se, pois, o interesse do psicólogo em acompanhar e refletir sobre o modo como a evolução da tecnologia da informação se articulará com os diferentes aspectos da existência humana. Não se trata de procurar respostas ou verdades, mas de explorar possibilidades e tendências que irão configurar o cenário futuro. Continue lendo »

Encontro Com a Alma no Espaço Virtual

A Substância da Qual os Sonhos são Feitos” por John Anster Fitzgerald

Site na internet faz uma interessante conexão entre dois universos aparentemente incompatíveis: o mundo dos sonhos e o mundo virtual

*Por Silvia Graubart

Há quem suponha impraticável trabalhar as imagens oníricas pela internet. Polêmico, sem dúvida, esse modo de entrar em contato com os sonhos foi desenvolvido pelo analista junguiano de Boston, Robert Bosnak, e sua assistente Jill Fischer, em 1997. Mas além de possível, a prática é uma interessante conexão entre dois universos aparentemente Inernetincompatíveis: o mundo virtual e nossas imagens inconscientes. No universo on line pode ser associado à linguagem dos sonhos. Continue lendo »

A Internet Mudou a Paquera

“A Paquera” por Edmund Blair Leighton (1853-1922)

*Por Nádia Schiavinatto

O mundo deu voltas e voltas. A comunicação humana já passou pelos sinais de fumaça, ruídos de tambores, mensageiros que viajavam longas distâncias para a entrega de uma carta, correio aéreo, telégrafo, telefone….e hoje podemos nos comunicar em tempo real através da internet. Com a nova tecnologia, a maneira dos encontros amorosos também mudou. Continue lendo »

A Dor de Nunca Saber o Bastante

Revista Veja , No. 35, 2001

O excesso de informação provoca a angústia típica dos tempos atuais e leva à conclusão de que, às vezes, saber demais é um problema. O eterno sentimento humano de ansiedade diante do desconhecido começa a tomar uma forma óbvia nestes tempos em que a informação vale mais que qualquer outra coisa. As pessoas hoje parecem estar sofrendo porque não conseguem assimilar tudo o que é produzido para aplacar a sede da humanidade por mais conhecimento. Alguns exemplos dessa síndrome: Continue lendo »

Do Uso da Internet Como Forma de Resistência às Imagens Femininas Impostas Pela Mídia Tradicional

*Por Cynthia Semíramis Machado Vianna

Considerações iniciais

A imagem do ser humano, no século vinte, foi transformada através dos meios de comunicação de massa. A mídia divulgou e impôs um padrão de imagem que, longe de refletir a diversidade cultural, transformou alguns corpos em modelos estéticos a serem seguidos, mesmo que esses modelos violem as noções científicas do que deveria ser um corpo saudável e não correspondam à aparência da maioria da mulheres do mundo. Continue lendo »

Grande Mídia Isolada do Brasil

*Por Venício A. de Lima em 9/2/2010

Trabalhando em algumas capitais estaduais ou na Praça dos Três Poderes, em Brasília, os chamados “formadores de opinião” da grande mídia – sobretudo jornais e emissoras de TV – acabam por se isolar do cotidiano da maioria da população brasileira. Acredito que faria muito bem a eles viajar, periodicamente, pelo interior do Brasil. Não importa a região, o estado ou até mesmo as cidades visitadas. A exceção talvez seja o interior de São Paulo, área onde são distribuídos dois dos três jornalões que se consideram nacionais. Continue lendo »