Tempo Livre, Lazer e as Transformações Socioculturais

*Por Maria Izabel de Souza Lopes

“Nada (…) nos pertence, só o tempo é nosso” (Seneca – A amizade)

Já há algum tempo vem-se alertando sobre os efeitos da velocidade na vida profissional e social. Fazer tudo rapidamente dá uma sensação de que não se deve perder tempo. Reportagens que abordam excesso de trabalho, consumismo, felicidade, qualidade de vida revelam novos problemas e novas soluções. Todos os problemas apontam como vilão o trabalho, seja o excesso ou a falta dele. Continue lendo »

Anúncios

A Praça, O Parque, A Cidade Para Todos

Como psicólogos e educadores estão usando os espaços públicos para transformar as relações sociais e promover a cidadania.

A cidade de São Paulo tem quase quarenta parques municipais, além de centenas de praças. Para muitos, são um ambiente adequado para o prazer e relaxamento, pontilhado por crianças brincando e atletas treinando. Para indivíduos em situação de rua, um “dormitório”. Porém, esses locais podem se configurar em laboratório para a construção da cidadania. Os espaços públicos de lazer, como praças, parques e campos de futebol oferecem condições interessantes para os psicólogos desenvolverem atividades que estreitam o contato com a comunidade e promovem a observação das relações humanas, em particular, na periferia, em bairros onde os direitos sociais não são garantidos. Dessa intertavidade, podem aparecer informações importantes para a compreensão dos movimentos sociais. Continue lendo »

E a comida? Chegou de moto!

a-comida_chegou-de-moto

Por Adriana Lima

Segundo a Associação Brasileira de Motociclistas, 500 mil trabalhadores ganham a vida fazendo um importante movimento que, num passado recente, poderia ser definido como “da cozinha para copa”. Ou seja, milhares de motociclistas profissionais levam a comida saída do forno para quem deseja consumi-la. E não podem demorar fazendo isso. Os clientes – e o patrão – têm pressa. Continue lendo »