A Descida aos Infernos: Rito de Morte e Vida

O Rapto de Perséfone” por Rembrandt van Rijn(1606-1669)

*Por Angelita Corrêa Scardua

É praticamente impossível falar da Morte sem nos remetermos às figuras enigmáticas que habitam os mundos subterrâneos do universo mitológico, e dentre estas figuras destacam-se as Deusas Negras. Comecemos então pela mais antiga registrada pela grafia humana, Ereskigal, a Senhora da Grande Região Inferior. Ereskigal era irmã de Inanna, a Rainha Sumeriana do céu, que é a forma primitiva de Ishtar, Afrodite e Venus. Conta o Mito que havia grande inveja e rivalidade entre as irmãs Inanna – a bela e adorada Senhora da fertilidade – e Ereskigal – a horrenda figura feminina com cabelos de sanguessuga que deu origem a mitos como o da Medusa. Continue lendo »

Anúncios

Papeando sobre conhecimento e Ano Novo…Metamorfoses necessárias

2009 está chegando ao fim, e nós do grupo Papeando Com a Psicologia estamos satisfeitos por termos conseguido dar continuidade ao nosso propósito de divulgar o conhecimento psicológico. O que foi possível ao compartilhamos mais um ciclo de debates com todos vocês que nos visitaram, aqui no mundo virtual e nos nossos encontros ao longo deste ano.

Tendo a Psicologia como ponto de partida, tivemos a oportunidade de debater 11 temas diferentes: Contos de Fada, Comida, Casa, Mal, Mulher, Moda, Sexo, Esoterismo, Mente Criminosa, Dinheiro e Trabalho. Em todos foi gratificante a participação de pessoas com as mais diferentes formações. A diversidade de temas e de visitantes, que caracteriza os encontros do Papeando, tem permitido uma troca singular de idéias sobre a vida e o conhecimento que tenta explicá-la. Continue lendo »

O Caminho da Floresta nos Contos de Fada: Amadurecimento e Autonomia

snowwhite_rackham1

Imagem: Branca de Neve por Arthur Rackam

Por Angelita Corrêa Scardua


O espaço geográfico no qual os Contos de Fada se desenrolam é regido por leis totalmente diferentes daquelas que dominam o mundo cotidiano. O modo de funcionamento desse espaço constitui-se pela lógica do sobrenatural e do imaginário, ou seja, pela lógica dos conteúdos simbólicos do Inconsciente Coletivo. Da mesma forma que o inconsciente se organiza à revelia do tempo-espaço cronológico – estabelecendo suas próprias relações de causa e efeito a partir da vivência afetiva, e não dos pontos cardeais e das horas – na geografia fantástica não existem distâncias que possam ser metricamente medidas ou tempo que os dias marcados nos calendários possa delimitar. Assim, o deslocamento físico dos personagens nos Contos de Fada segue a necessidade de desenvolvimento emocional do protagonista e dos coadjuvantes. Essa condição não-física da mobilidade no mundo da fantasia permite aos personagens deslocarem-se por reinos, céus, oceanos, mundos inferiores e superiores num “piscar de olhos”. Continue lendo »