A Sociedade do Narcisismo e da Melancolia

De que maneira a sociedade contemporânea, marcada pela contínua desvalorização do passado e pela promoção crescente do narcisismo, está condenada à melancolia?

*Por Luciana Chauí Berlinck

A melancolia (palavra que em meados do século 19 começa a ser substituída pelo termo depressão) é considerada a doença mental contemporânea, e cabe indagar como nossa sociedade facilita o surgimento dessa patologia. Não faremos distinção entre melancolia e depressão. Para muitos, a depressão é uma patologia orgânica, que transparece psicologicamente como tristeza profunda ou melancolia. Ou seja, esta é um sintoma daquela. Em contrapartida, para Freud, não há diferença entre uma e outra. Ambas exprimem o mesmo fenômeno, embora possamos considerar a depressão um sintoma da melancolia, uma vez que a palavra “depressão” significa rebaixamento, ou seja, uma diminuição das atividades, que pode ser tanto orgânica quanto psíquica. Continue lendo »

Anúncios

As Crianças e a Morte

A Órfã” por James Tissot(1836-1902)

Não adianta fingir que a morte não existe. Não adianta iludir-mo-nos. Todos nós vamos morrer um dia! É tão certo como estar neste momento a ler esras linhas… Tudo o que nasce tem um fim, a morte faz parte da vida, é uma realidade incontornável. Porque não falamos então desta inevitabilidade? Porque evitamos abordar o tema, especialmente com as crianças? Porque as impedimos de lidar com a tristeza, de se aproximarem de quem está a morrer, de se despedirem, de se exprimirem? A morte tornou-se demasiado incómoda. Como disse Pascal, já que não podemos substituí-la temos a audácia de não pensar nela! Continue lendo »

Como as Religiões Encaram a Morte

A Morte Em Seu Pálido Cavalo” por William Blake(1757-1827)

Candomblé

Significado: a vida continua por meio da força vital do indivíduo. A parte imperecível do corpo (ou “ori”) não acaba, afirma o antropólogo Acácio Almeida Santos. E toda morte é fruto de uma intervenção.

Preparação: cultivando sempre sua força vital, pois as pessoas podem mudar seus destinos, apesar de existirem interferências na morte.

Reencarnação: o “ori” volta para a mesma família, mas em outro corpo. Já os homens fortes, que têm filhos, maturidade, prestígio social e morte aceitável, tornam-se ancestrais. Continue lendo »

O Luto Como Vivemos: Educação Para Morte

A Morte e a Donzela” por Hans Baldung(1484-1545)

*Por Valéria Tinoco

Afinal, o que é a Educação para a Morte? Será possível modificar, transformar e ensinar sobre a morte? Primeiramente, toda vez que nos referirmos a Educação para a Morte, incluímos aí a morte, o morrer e o processo de luto que acompanha e segue estes processos. Nós que trabalhamos com morte e luto somos indagados pelas pessoas ao nosso redor: Por que você estuda este assunto? Vai passar um fim de semana fazendo um curso sobre luto? Trabalhamos com o mais horrível? Continue lendo »