Sonho

Titânia em um Sonho de Uma Noite de Verão” por Frank Cadogan Cowper

Evocando a faculdade potenciadora do imaginário e da fantasia, o sonho apresenta-se como um processo psico-fisiológico em que uma sequência de imagens e vivências, que ocorrem durante o sono, se articulam numa estrutura de associações figurativas, assumindo pois a forma de uma linguagem simbólica. Enquanto linguagem simbólica, não há uma associação directa entre os elementos desta estrutura e seus significados, ou seja, as imagens presentes e concretas remetem para imagens ausentes e abstractas. Como tal, assemelha-se a uma alegoria em que a linguagem imagética se faz por conteúdos simbólicos (manifestos), cujo sentido profundo (latente) é passível de ser descodificado. Continue lendo »

Pré-História do Sonho

O Sonho de Santa Cecília” por John William Waterhouse

Artigo publicado na revista L’Histoire, n. 246, sep./2000.

*Traduzido por Mônica Macedo.

Até meados do século XIX, os sonhos eram interpretados de acordo com os códigos das tradicionais “Chaves dos sonhos” que os viam como uma previsão do futuro. Seria necessária a intuição de alguns médicos alienistas e a audácia de alguns escritores para pressentir que o sonho fala sonhador sobre ele próprio. Mas antes de Freud, o conteúdo da mensagem permanecia indecifrável. Continue lendo »

Como se processa o sono e quais os significados dos sonhos?

As Sonhadoras” por Albert Moore

Os sonhos são produtos da própria atividade mental e processam-se, predominantemente, por imagens visuais, mas também recorrem a impressões auditivas; seu conteúdo é derivado da experiência, mostrando conhecimentos e impressões que o indivíduo acordado muitas vezes não percebe (FREUD, 1900).

Além do estado desperto normal, o sono, é naturalmente, o outro estado de consciência cujo reconhecimento é mais comum. As pessoas passam boa parte da vida dormindo, como a maioria dos mamíferos. O desenvolvimento do eletroencefalógrafo (EEG) foi decisivo para o progresso das pesquisas sobre o sono e o sonho. Berger, um psiquiatra alemão, em 1924, foi a primeira pessoa a registrar o EEG de um homem. Berger só publicou os seus primeiros registros em 1929. Suas descobertas abriram caminho a uma intensa atividade de pesquisa. Muitas pesquisas foram realizadas posteriormente para ampliar e aprofundar as descobertas de Berger, colocando ao alcance de todos uma considerável soma de informações sobre a atividade elétrica do cérebro humano (KIMBLE, 1975). Continue lendo »

A Importância dos Sonhos

“O Sonho de Dante na Hora da Morte de Beatrice” por Dante Gabriel Rossetti

*Excertos de Carl Jung em “O Homem e os Seus Símbolos”

Aquilo a que chamamos símbolo é um termo, um nome ou mesmo uma imagem que nos pode ser familiar na vida diária, embora possua conotações especiais para além do seu significado evidente e convencional. Implica algo de vago, desconhecido ou oculto para nós. Assim, uma palavra ou uma imagem é simbólica quando implica alguma coisa além do seu significado manifesto e imediato. Esta palavra ou esta imagem tem um aspecto mais amplo, que nunca é definido de uma única forma ou explicado totalmente, nem podemos ter esperanças de a definir ou explicar. Quando a mente explora um símbolo, é conduzida em direcção a ideias que estão fora do alcance da nossa razão. Continue lendo »

O Sonho em “Clínica psicanalítica: a arte da interpretação”

O Sonho de Sardanapalus” por Ford Madox Brown

*Por Fabio Herrmann

“O tempo do sonho pode ser comparado ao da chuva. Vem por estações durante uma análise, fertiliza-a, e segue um movimento ternário mas contínuo de concentração, precipitação, disseminação. O momento do sonho e o de seu relato na sessão não são o sonho inteiro para o analista. Como a concentração de água que se evapora e forma nuvens, temas psíquicos, dotados de tensão emocional, vão-se acumulando e começam a ser sonhados silenciosamente, na vigília, através de pequenos atos de significação ambígua e da concatenação mais ou menos frouxa de séries de idéias a respeito do tema, ou de lembranças e idéias soltas que não se definem, a não ser a posteriori. Ocorrem chuviscos de quando em quando: atos falhos, devaneios, fragmentos oníricos indicativos do tema vindouro. Até que o sonho que já está a ser sonhado alcança um estado de saturação que lhe permite precipitar-se abertamente num episódio noturno recordável, feito tempestade de verão. Continue lendo »

Sonhos: Neurociências versus Psicanálise

O Pesadelo” por Henry Fuseli

*Por Dr. Pedro Carlos Primo

Concepções difíceis de serem amalgamadas, as defendidas pela psicanálise e as defendidas pelas neurociências, no que diz respeito aos sonhos. Em sendo caso, resta-nos confrontar as duas concepções.

Para a Psicanálise os sonhos são construtos psíquicos e é uma das pedras angulares de sua teoria, pois estão baseados na história do indivíduo, idéia esta que a Psicanálise tanto presa. Segundo a psicanálise a função principal do sonho é guardar o sono do sonhador, ao permitir a realização alucinatória dos desejos inconscientes, e desta forma, criar condições psíquicas para que o indivíduo continue dormindo. Os sonhos se expressam através de cenários pictóricos, numa linguagem arcaica, primitiva e carregada de simbolismo. Quando interpretados corretamente adquirem sentido para o sonhador. Este ponto é interessante porque no curso da história da humanidade, dependendo da cultura, os sonhos tem sido interpretado de modo diferente pelas diversas culturas, muitas vezes confundindo uso com função. Continue lendo »

Uma Análise Behaviorista Radical dos Sonhos

O Sonhador” por Caspar David Friedrich

*Excertos de Francynete Melo e Silva

Eventos Privados

Na análise behaviorista radical, considera-se que os sonhos são apenas comportamentos, mais especificamente, comportamentos privados. Enquanto comportamentos privados, os sonhos fazem parte da subjetividade do homem. Os eventos privados referem-se tanto a estímulos como a comportamentos que ocorrem encobertamente. Usa-se o termo encoberto para enfatizar que não são acessíveis à observação direta. Em relação aos comportamentos encobertos, Skinner (1974/1993) não os considera como de natureza especial, estar-se-ia apenas “descrevendo comportamento em miniatura” (p. 27), pois, os comportamentos privados nada mais são do que ações do organismo que foram adquiridas de forma pública, passando a se manifestar privadamente após a sua aquisição. (…) Continue lendo »